Incentivo, inspiração e superação. Como o esporte pode nos levar a ultrapassar limites - H.MAN

Incentivo, inspiração e superação. Como o esporte pode nos levar a ultrapassar limites

Inspiração, superação, obstáculos, triunfos e recordes inimagináveis. Se submeter à prática esportiva significa abrir uma porta que direciona a novas descobertas e vencer, antes de tudo, a si mesmo.

Muito mais do que saúde, os exercícios físicos nos convidam a arrebatar nosso corpo ao limite e, então, superá-los. Para isso, é preciso muito esforço: um chute em campo, uma bola na rede, uma tacada de golfe, um arremesso impecável...

Esses movimentos podem até parecer corriqueiros, mas sem a prática constante, os atletas jamais atingiriam suas metas. Seja no futebol, no golfe, ou automobilismo, os milímetros fazem a diferença e, muitas vezes, são eles que definem um acerto avassalador de um erro grotesco.

Coincidentemente ou não, na vida, as tomadas de decisões atuam da mesma maneira. Pequenas decisões podem te levar ao topo, ou ao fundo do poço. Em alguns casos, acertamos em cheio, em outros, tropeçamos. Em todos eles, lidamos com as consequências. Dentro do esporte, também descobrimos o valor da persistência, da perseverança e da busca por caminhos alternativos às dificuldades impostas, para construir uma trajetória vitoriosa.

Os atletas têm muito a nos ensinar sobre superação. Eles solucionam problemas e, a partir de um conjunto de fatores técnicos, físicos, materiais e psicológicos que ampliam seus limites, alcançam o que às vezes parece ser impossível.

Dificilmente encontraremos pessoas tão disciplinadas como os atletas que, desde cedo aprendem a ultrapassar os desafios impostos para vencerem, representando seus times e suas nações. Para isso, descobrem o valor da força, da superação e, principalmente, do autocontrole, para saber o melhor momento de passar uma bola ou arremessá-la.

Por isso, para inspirar você, leitor empreendedor, o Blog da HMAN se desafiou a apresentar uma série sobre as maiores lendas do esporte. Acompanhe e recarregue as suas energias, com pessoas que ultrapassaram limites e foram além do imaginável.

Para dar início a essa sequência vitoriosa, confira a seguir uma história transformadora que ilustra como o esporte pode inspirar, ensinar, motivar e transformar vidas, não os praticantes, mas também pessoas comuns, que são diretamente impactadas por eles:

Seja Avisado de Novos Posts

Homens que querem praticidade e não abrem mão da sua identidade.
Otimize seu tempo com as dicas H.Man para você aproveitar ao máximo seu dia a dia.

Tiger Woods: a história real de uma lenda do golfe

Tido por muitos como o melhor jogador de golfe de todos os tempos, Tiger Woods (nascido na Califórnia, em dezembro de 1975) ganhou vários campeonatos e é mundialmente conhecido por seus recordes mundiais. Seu pai, Earl Woods, foi um jogador de golfe nato e desejava que seu filho seguisse seus passos, mas nunca imaginou todo o talento que seu descendente revelaria.

E você sabe, ter o seu melhor amigo sendo o seu pai é uma coisa muito única. Tiger Woods

Talento prodígio

Aos dois meses de idade, Tiger pegou um taco de golfe pela primeira vez na vida. Dois anos depois, fez sua estreia na TV e surpreendeu os mais críticos do esporte, quando mostrou suas incríveis habilidades ao bater duas bolas a três metros do buraco.

Mesmo com pouca idade, entendia o senso desafiador do esporte, jogava com meninos mais velhos e, aos cinco anos, chegou a vencer, por seis vezes, o Campeonato Mundial de Golfe Júnior.

Embora o pequeno tivesse deixado o mundo de olhos esbugalhados, ninguém ficou mais orgulhoso do esforço e vocação especial de Woods do que seu pai, Earl. Entretanto, por mais que a sua carreira decolasse de vento em polpa, nem tudo foi fácil para o jovem esportista.

No campo emplacava, na fala, travava

Woods admitiu sofrer de gagueira em sua juventude, distúrbio que afetou a sua confiança e motivou várias constrangimentos. As palavras se perdiam, pequenas frases não podiam ser completadas. Mas, por mais incômodo que o problema parecesse ser, ele não foi capaz de parar Woods, que aprendeu com o senso desafiador da prática esportiva que tudo poderia ser superado.

O jovem se dedicou intensamente em se curar do problema e, com a ajuda de vários profissionais que atuaram em conjunto com a sua mente brilhante e determinada, conseguiu. Assim que terminou o colegial, Woods recebeu bolsas esportivas para, praticamente, todas as universidades de maior prestígio do país e acabou ocupando um lugar na Universidade de Stanford com uma bolsa de golfe.

Aos 20 anos, se tornou o primeiro jogador a ganhar três títulos consecutivos de amador dos EUA e vencer o campeonato individual de golfe da NCAA. Nesse momento, ficou escancarado que o jovem não estava destinado à vida acadêmica, mas sim, ao campo de golfe. Após dois anos em Stanford, Woods deixou a universidade e se tornou profissional, em 1996.

Eu quero ser o que eu sempre quis ser: dominante. Tiger Woods

Finalmente, um atleta profissional

Logo após se tornar, de fato, um atleta profissional, Woods assinou acordos de publicidade com a Nike e a Titleist - os patrocínios mais lucrativos do golfe naquela época.

A impressão que todos tinham é que nada poderia parar a ascensão impressionante de Tiger Woods ao topo. Ainda aos 21 anos, o jovem venceu seu primeiro grande torneio de golfe adulto, o Masters de 1997 e se tornou o campeão mais jovem do torneio.

Dois meses depois, estabeleceu outro recorde ao alcançar a subida mais rápida de todos os tempos ao 1º lugar no Ranking Mundial de Golfe Oficial. A partir dali, Woods não era mais um prodígio infantil. Era um adulto, esforçado, dedicado, corajoso e o maior jogador de Golfe do mundo.

Doença, determinação e cura

Por trás de todos os seus sucessos, Woods revelava uma doença debilitante. Sofria de miopia extrema e só podia enxergar objetos que estivessem muito perto. De acordo com o golf.com, a visão de Woods era tão ruim que, sem os óculos ou as lentes de contato, ele poderia ser considerado literalmente cego.

Mas, essa condição também foi incapaz de pará-lo. O atleta passou por cirurgias oculares a laser em 1999 e novamente em 2007, ambas melhoraram consideravelmente seu desempenho.

Depois disso, se casou com Elin Nordegren (com quem teve dois filhos) e viveu tempos gloriosos, talvez para se preparar para o declínio dos anos seguintes.

Uma perda devastadora

Em 2006, Tyger passou pelo golpe devastador da morte do seu pai , melhor amigo, treinador e mentor. No momento da partida de seu pai, Woods estava no meio da turnê da PGA e tirou alguns dias para comparecer ao funeral, passar um tempo com sua família e se recuperar da dor.

O período em que ficou afastado e sem treinar motivou a sua derrota ao retornar ao US Open. O atleta sentiu-se na obrigação de honrar a memória de seu grande herói, e, mesmo sentindo um vazio irreparável, perseverou e logo retornou aos campos.

No final da temporada de 2006, havia vencido um total de 54 torneios. Mesmo abalado, seu talento insuperável permanecia intocável.

A volta por cima

Três anos depois, em meados de 2009, Woods tinha tudo o que qualquer homem almejava. Era um líder incomparável e esportista lendário, considerado o mais rico da história.

Os novos tropeços

No final do mesmo ano de sua ascensão, surgiu uma história de infidelidade da parte de Woods com sua esposa, Elin Nordegren. A mídia cercou toda a família e provocou, ainda mais estresse para o casal, que, mesmo tentando ignorar toda a imprensa, sabia que as coisas poderiam, e, iriam, piorar.

Logo depois das especulações de traição, Woods se envolveu em um acidente de carro nas primeiras horas da manhã. Ao bater seu Cadillac SUV em um hidrante e em uma árvore, o esportista sofreu cortes faciais e contusões. Além disso, pessoas próximas afirmavam que ele poderia estar sob a influência de álcool no momento do acidente.

Em 2010, o atleta assumiu as traições, se desculpou publicamente e lamentou profundamente o dano causado à sua esposa e família. Com todos os escândalos envolvendo seu nome, Woods perdeu vários patrocínios lucrativos e viu sua performance declinar.

Era certo: Woods havia, incontestavelmente, atingido o fundo do poço. Com um casamento acabado e sua reputação em frangalhos, recomeçar era a única saída, e ele sabia disso.

Eu fui infiel, eu tive casos e traí. O que eu fiz foi inaceitável. Eu feri meus filhos, minha mãe, a família da minha esposa, meus amigos, minha fundações e todas as crianças pelo mundo que me admiram. Tiger Woods, em 2009

 

A retomada

Depois de anos desordenados, Woods retornou, de maneira memorável ao golfe, em 2013. Começou ganhando o Farmers Insurance Open, depois, o WGC-Cadillac Championship e, por último, o Arnold Palmer Invitational - que marcou o seu retorno ao primeiro lugar do ranking mundial. Depois de muita luta, Woods se converteu mais uma vez no maior jogador de golfe do mundo.

A superação

Finalmente, Tiger se reinventou e retornou ao topo. Suas vitórias frequentes mostravam a todos que ele tinha superado seus problemas pessoais e estava de volta àquilo que mais interessava.

Sem dúvidas, o legado de Woods, mesmo com os altos e baixos que marcaram sua vida pessoal, segue como a personificação do poder da indústria do Golfe. Desde o início da carreira de Woods, o universo do Golfe passou por um aumento considerável na popularidade.

Com mais fãs, mais consumidores, mais altas e ganhos significativos em prêmios e investimentos.

Se lhe for dada uma chance de ser um modelo, eu acho que você deve sempre pegar porque pode influenciar a vida de uma pessoa de uma maneira positiva, e é isso que eu quero fazer. Tiger Woods

Conclusão

Desde a infância, Woods aprendeu, nas tacadas de golfe, a importância da buscar a perfeição. A perfeição se atinge nos milímetros, no toque, na velocidade e no raciocínio.

O esportista também descobriu que os milímetros ditam, não só os seus recordes esportivos, mas também os seus erros e acertos enquanto ser humano. Tyger poderia ser tão cauteloso em sua vida pessoal como foi em suas tacadas, mas, talvez, se tivesse seguido outros caminhos, não compreenderia o tamanho do seu senso de superação e o quão desafiador podem ser os recomeços.

Voltar para o blog

Deixe um comentário